domingo, 24 de abril de 2016


Escrevo demorando-me nas palavras, como por montras onde não vejo, e são meios-sentidos, quase-expressões o que me fica, como cores de estofos que não vi o que são, harmonias exibidas compostas de não sei que objetos. 

Escrevo embalando-me, como uma mãe louca a um filho morto. 


al berto 

sábado, 23 de abril de 2016


(...)

Não ranjo. 
Não sangro. 
Não choro. 
Não peço. 
Não morro.


A não ser que me sobrevenha uma embolia ao baralho. 
Ao caralho.


Por isso, conservo-me em álcool. 
Como os miúdos fazem às cobras.


O formol é para os Deuses.





Miguel Martins

quinta-feira, 21 de abril de 2016


Vês nas tintas do crepúsculo


a possibilidade de esborratar o rosto.



Vasco Gato

quarta-feira, 13 de abril de 2016

segunda-feira, 11 de abril de 2016


Minha alma deve ser contorcionista. 

É a única explicação pra que ela continue a caber em mim.



Aurea Cristina Szczpanski

domingo, 10 de abril de 2016


O prazer profundo, inefável, que é andar por estes campos desertos e varridos pela ventania, subir uma encosta difícil e olhar lá de cima a paisagem negra, escalvada, despir a camisa para sentir diretamente na pele a agitação furiosa do ar, e depois compreender que não se pode fazer mais nada, as ervas secas, rente ao chão, estremecem, as nuvens roçam por um instante os cumes dos montes e afastam-se em direção ao mar, e o espírito entra numa espécie de transe, cresce, dilata-se, não tarda que estale de felicidade.



José Saramago

E assim te digo: ADEUS!!!!


Às vezes a gente se afasta para refletir.
Outras, porque já refletiu.



(desconhecido)

terça-feira, 5 de abril de 2016


Mas ninguém entenderia.

 Então guardei pra mim.



 Caio Fernando Abreu

“Se ao menos soubesses tudo o que eu não disse 


ou se ao menos me desses as mãos como quem beija 


e não partisses, assim, empurrando o vento 


com o coração aflito, sufocado de segredos; 


se ao menos percebesses que eram nossos 


todos os bancos de todos os jardins; 


se ao menos guardasses nos teus gestos essa bandeira de lirismo 


que ambos empunhamos na cidade clandestina 


Quando as manhãs cheiravam a óleo e a flores... 


e o inverno espreitava ainda nas esquinas como uma criança tremendo; 


se ao menos tivesses levado as minhas mãos para tocar os teus dedos 


para guardar o teu corpo; 


se ao menos tivesses quebrado o riso frio dos espelhos 


onde o teu rosto se esconde no meu rosto 


e a minha boca lembra a tua despedida, 


talvez que, hoje, meu amor, eu pudesse esquecer 


essa cor perdida nos teus olhos.” 




Joaquim Pessoa

domingo, 3 de abril de 2016


“O amor humano tem a capacidade de ser o amor de Deus na nossa vida por causa disso: porque ele nos elege!

Por isso que é bom termos amigos, porque na verdade, as pessoas amigas antecipam no tempo, aquilo que acreditamos ser eterno…

Quando elas são capazes de olhar para nós e descobrir o que temos de bonito.

Mesmo que isso, as vezes costuma ficar escondido por trás daquilo que é precário.

Por isso agradeço muito a Deus pelos amigos que tenho.

Pelas pessoas que descobriram no que eu tenho de pior, uma coisinha que eu tenho de bom, e mesmo assim continuam ao meu lado, me ajudando a ser gente, me ajudando a ser mais de Deus, ajudando a buscar dentro de mim, a essência boa que acreditamos que Deus colocou em cada um de nós.”



Pe. Fábio de Melo

Não há nada mais fácil do que esquecer o que já não existe.


Miguel Esteves Cardoso


**só não sei como é que 'se faz' isso...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...