sábado, 31 de janeiro de 2015

Encontraram-se...


Encontraram-se
à margem dos seus deslocamentos,
duas figuras capazes de existir e morrer.
Ali,
somados ao lugar que os inventou,
foram peremptórios em reconhecer
a falência da realidade, o que só os tornou
ainda mais coesos.
Sobrepunham-se de tal forma
que os trâmites da experiência se viam instituídos 
pelos seus próprios olhos.
Um tocou o outro,
a sensação de se propagarem como
âncoras debaixo de água. 
Tudo assim lento,
confirmado pela respiração.
Se ainda houvesse ruas,
julgaríamos que era de noite,
que chuviscava,
que tinham roupa um para o outro.
Sentiam-se emergir de um equívoco, alçados
pelo lucro do desejo.

Cruzariam a própria sombra para jurarem isso mesmo:
que existiam, que haveriam de morrer.
Que se tinham encontrado.


Vasco Gato

Para cada tanque de guerra fabricado no mundo, se fabricam 131 mil ursinhos de pelúcia. Para cada vez que a Bolsa de Valores despenca, existem 10 versões de “What a wonderful world”. Para cada pessoa corrupta, há 10 000 doações de sangue. Para cada parede que há, se põe 10 mil tapetes de “Bem Vindos”. Assim como um cientista projeta uma arma nova, há um milhão de mães fazendo bolos de chocolate. No mundo, se imprime mais dinheiro do Monopoly do que dólares. Há vídeos mais engraçados na internet do que más noticias do mundo. Na internet, AMOR tem mais resultados que MEDO. Para cada pessoa dizendo que tudo vai piorar, há 100 casais que procuram um filho. Para cada arma vendida no mundo, 20 mil pessoas dividem uma coca-cola. Há razões para acreditar num mundo melhor.


- Coca Cola

E cabe tanta coisa num abraço....


"A vida coloca o dedal no dedo onde o amor já fez a ferida."


Mia Couto

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015


Contigo aprendi coisas tão simples como
a forma de convívio com o meu cabelo ralo
e a diversa cor que há nos olhos das pessoas

Só tu me acompanhastes súbitos momentos
quando tudo ruía ao meu redor
e me sentia só e no cabo do mundo


[Ruy Belo]

Estava tão próximo de ti que junto dos outros sinto frio.


Paul Éluard

domingo, 25 de janeiro de 2015



Fala-me de lucidez. – conta-me como é que a linha do horizonte se traçou no teu peito – em que lado da memória escondeste o mar. 

E porque sorris assim no interior do meu desassossego? 
Fala-me de lucidez. 
Fala-me, para eu adormecer.


Al Berto

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015



não serve para nada olhar o mar quando sei que morres longe de mim. 

por isso vou pelas ruas e magoou-me


Al Berto,

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Deixo-te


"O amor nunca morre de morte natural. 
Ele morre porque nós não sabemos como renovar a sua fonte. 
Morre de cegueira e dos erros e das traições. 
Morre de doença e das feridas; morre de exaustão, das devastações, da falta de brilho".


Anais Nin

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015


Foi um sofrimento horrível, mas durante o ano em que passei imobilizado, pude compreender uma verdade: de tudo o que perdi, era o coração que me fazia mais falta. Ninguém pode amar sem coração.


O Mágico de Oz
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...